O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil da UFSM, em nível de Mestrado Acadêmico, foi criado em 1994, inicialmente com uma única área de concentração: Construção Civil e Preservação Ambiental, com o objetivo de qualificar profissionais para o exercício das atividades de pesquisa, ensino e extensão no campo da Engenharia Civil e áreas afins. Posteriormente, em 1999 foi ampliado com a criação da área de concentração em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental. Os perfis profissionais dos discentes ingressantes no programa são originários das áreas de Engenharias, Arquitetura, Agronomia, bacharelado em Geociências, Bacharelado em Ciências Exatas e cursos superiores em tecnologias.

Após a abertura da pós-graduação em 1994, ocorreu um aumento crescente dos projetos de pesquisa coordenados pelos professores do PPGEC. Na área de concentração de Construção Civil e Preservação Ambiental, os projetos cresceram não só em números, mas também em amplitude, envolvendo alunos da graduação e pós-graduação. Situação semelhante ocorre com o corpo docente que compõe a área de concentração em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental. Para todos esses projetos, nas duas áreas de concentração, são solicitados constantemente auxílios financeiros de diversos órgãos de fomento, principalmente bolsas de iniciação científica e tecnológica, as quais são distribuídas aos alunos da graduação para auxiliar nos trabalhos de dissertação. Fato esse que pode ser comprovado junto aos relatórios das  comissões da CAPES que visitaram o PPGEC no ano de 2003 e 2009, onde se salientou que existe uma excelente integração entre os alunos da pós-graduação, com os da graduação pela participação destes nos trabalhos desenvolvidos pelos mestrandos.

A partir do ano de 2003, o PPGEC atingiu sua maturidade em termos de sua organização acadêmica e administrativa e de equilíbrio entre as duas áreas de concentração, em função do número de dissertações concluídas e do tamanho do corpo docente. No final de 2007 o corpo docente do PPGEC era constituído por vinte um (21) professores (dezesseis permanentes e mais cinco colaboradores), sendo que dos permanentes nove (9) atuam na área de Construção Civil e sete (7) na área de Recursos Hídricos.

A evolução do PPGEC está sendo contínua e consta no relatório dos avaliadores do triênio 2004-2006, obtendo o seu maior conceito deste a criação do curso, nota igual a 4,00. Os índices comprovam isso, como por exemplo, a redução do tempo médio de defesa dos trabalhos de dissertação.

No triênio 2004 – 2006 foram concluídas 51 dissertações (28 na área de Construção Civil e 23 na área de Recursos Hídricos), com uma média de 3 defesas por orientador neste período.

No triênio 2007-2009 foram concluídas 58 dissertações (46 na área de Construção Civil e 22 na área de Recursos Hídricos).

No triênio 2010 – 2012 foram concluídas 65 dissertações (45 na área de Construção Civil e 20 na área de Recursos Hídricos), com tempo médio de 30 meses.

No primeiro ano do próximo triênio (2013-2015) foram concluídas 29 dissertações (14 na área de Construção Civil e 15 na área de Recursos Hídricos), com tempo médio de 29 meses.

Até o final do mês de agosto de 2014 já foram concluídas 21 dissertações (16 na área de Construção Civil e 5 na área de Recursos Hídricos), com tempo médio de 30 meses. Em abril de 2014 foi aprovado a criação do Doutorado em Engenharia Civil, tendo sido realizado a seleção para ingresso no segundo semestre de 2014 com a primeira turma formada por 15 alunos.

Em relação ao número de dissertações concluídas é visível o aumento de produtividade do PPGEC. Desde a criação do programa já foram concluídas um total de 241 dissertações. Portanto, em termos quantitativos nos últimos anos verifica-se um acréscimo no número de defesas e um decréscimo gradual do tempo médio de titulação, e por fim, um equilíbrio no número de defesas entre as duas áreas de concentração, observando-se a proporcionalidade do corpo docente permanente, mostrando a maturidade do programa, visto que a área de concentração de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental iniciaram suas atividades em 1999.

Na região central do Estado do Rio Grande do Sul, Santa Maria desempenha papel de um pólo regional, sendo a quinta cidade mais populosa do Rio Grande do Sul e a maior de sua região que possui quase um (1) milhão de habitantes. Santa Maria destaca-se na região, como cidade portadora das seguintes funções relacionadas à prestação de serviços: comercial, educacional, médico hospitalar, rodoviário e militar policial.

Atualmente, já se dispõe em Santa Maria e região próxima diversos cursos de graduação na área tecnológica, como a engenharia sanitária e ambiental, engenharia civil e arquitetura, totalizando, no ingresso por meio de vestibular, aproximadamente 760 vagas ofertadas nestes cursos de graduação em diferentes universidades como: UNIPAMPA (Universidade Federal do Pampa), URI (Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões), UNIFRA (Centro Universitário Franciscano), URCAMP (Universidade da Região da Campanha), UNISC (Santa Cruz do Sul).

Na UFSM existem alguns programas de pós graduação relacionados à temática ambiental e/ou áreas afins à Engenharia Civil, cuja demanda por doutorado pode ser suprida pelo doutorado em Engenharia Civil, como por exemplo: PPG Engenharia Ambiental, PPG Engenharia Agrícola, PPG Engenharia de Processos, PPG Engenharia de Produção, PPG Engenharia Florestal, PPG Agrobiologia e PPG Agricultura e Ambiente – campus Frederico Westphalen, PPG Agrobiologia, etc.

Portanto, a UFSM dando continuidade ao seu processo de expansão, considerou oportuno a criação de seu programa de doutorado em Engenharia Civil nas áreas de concentração: “Construção Civil e Preservação Ambiental” e “Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental” em sintonia com as exigências e aspectos normativos da CAPES, cuja avaliação é reconhecida em âmbito nacional e internacional.